Pesquisa personalizada
Mostre-me um exemplo Coloque a tag META após a tag e antes da tag Meu título conteúdo da página

domingo, 12 de dezembro de 2010

ANÁLISE LITERÁRIA DO POEMA DE ÁLVARES DE AZEVEDO

Na praia deserta que a lua branqueia,
Que mimo! que rosa, que filha de Deus!
Tão pálida ao vê-la meu ser devaneia,
Sufoco nos lábios os hálitos meus!

1ª estrofe: Introduz um cenário extremamente romântico: uma praia deserta iluminada pelo luar. Nesse cenário encontramos uma 'filha de Deus', isto é, uma virgem delicada, perfumada e ao mesmo tempo o substantivo rosa carrega um traço levemente sensual. Estamos diante da verdadeira idealização da Mulher , traço marcante da época do Romantismo.
O 3º verso é introduzido por uma expressão muito forte pela sonoridade: 'Tão pálida'. Como em Literatura nada é acaso, isto é, há o trabalho com as palavras, então é interessante prestarmos atenção a esta frase e verificar se haverá alguma relação com outras no decorrer da poesia. 'Pálida' traz a idéia de brancura, virgindade e também de morbidez. Continuando ainda nesse verso, o poeta admite que irá devanear.
O 4º verso inicia com uma palavra meio aterrorizante:' Sufoco 'que nos leva a pensar, no mínimo, em falta de ar. No verso todo podemos supor que o poeta prende a respiração tamanha candura de um ser.

Não corras na areia,
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

2ª estrofe: À virgem apresentada na estrofe acima é dada a vida, no entanto, imediatamente ela põe-se a correr distanciando-se do eu-lírico que clama por ela desesperadamente. Estamos diante da virgem inalcançável da poesia romântica. Verificaremos se ela continuará inalcançável no decorrer do poema.
Nos dois últimos versos está a confirmação pela palavra 'Donzela' de que se trata de uma virgem e, ainda nestes versos, conhecemos o eu-lírico como um sofredor, no qual seu maior desejo é alcançar a sua virgem, isso também típico dos poetas românticos da 2ª geração.

A praia é tão longa! e a onda bravia
As roupas de gaza te molha de escuma;
De noite aos serenos a areia é tão fria,
Tão úmido o vento que os ares perfuma!

3ª estrofe: Foi colocada em palavras a distância entre o eu-lírico e sua amada...' a praia é tão longa'.
Há um ar de terror no cenário com as ondas fortes e uma donzela correndo pela praia durante a noite enluarada com suas roupas molhadas misturando-se à espuma das ondas. Esse clima aterrorizante e levemente sensual, pela roupa molhada, é ainda mais mórbido pelo ar perfumado lembrando flores. Novamente nos deparamos no 3º verso com palavras de forte sonoridade que nos remete ao 3º verso da 1ª estrofe, neste caso elas não iniciam o verso, mas finalizam-no: 'tão fria'. Unindo-as para simples comparação, obtemos: 'Tão pálida...tão fria...' Literariamente falando, nenhuma palavra é colocada ao acaso, neste caso, já temos pistas de possíveis caminhos nos quais segue o poema. Devemos estar atentos para novas palavras expressivas que comprovem a nossa suposição.

És tão doentia!
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

4ª estrofe: Eureca!!! O poema se inicia com nova frase expressiva: 'tão doentia'. Unindo-as novamente para simples
análise: 'Tão pálida...tão fria...tão doentia'

A brisa teus negros cabelos soltou,
O orvalho da face te esfria o suor;
Teus seios palpitam a brisa os roçou,
Beijou-os, suspira, desmaia de amor!

5ª estrofe:Desde o início havia uma oposição entre a noite escura e a areia que é branca. Novo contraste de cores encontramos agora com a pele pálida da donzela e seus negros cabelos. O que não deve nos surpreender, pois, até mesmo a obra de Álvares de Azevedo é um verdadeiro contraste entre o pálido e o negro. De que forma? Leia o livro Lira dos Vintes Anos, a 1ª e a 3ª partes são pálidas, enquanto que a 2ª é totalmente negra.
Continuando a buscar pistas que nos levem ao possível desfecho, o 2º verso traz a palavra 'esfria'. Interessante e ainda mais curioso é a colocação da palavra 'orvalho' que segundo o dicionário Aurélio: 'orvalho' é umidade da atmosfera, que se condensa ( durante a noite, sobretudo) e se deposita, em forma de gotículas, sobre qualquer superfície fria. Logo, o orvalho se condensa ao tocar na face fria da donzela. Ou melhor, quase fria, porque nova oposição é encontrada com a palavra 'suor'.
A donzela está 'esfriando', no entanto, ainda há um resquício de calor ( ou não seria de vida?).
Realmente já posso dizer, pela minha análise subjetiva, que AINDA há vida. Essa vida é mostrada pelo 'suor' e pelos seios que palpitam.
Os dois últimos versos dessa estrofe posso traduzir para 'o coração palpita', no entanto, a brisa ( a noite, o destino, o inevitável) deseja essa vida tanto quanto o eu-lírico, pois a brisa 'suspira, desmaia de amor!'. Ainda pensando sobre a brisa, ela está mais próxima da donzela do que o eu-lírico, afinal a brisa 'beijou-os'.

Teu pé tropeçou...
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

6ª estrofe: Há um corte no ritmo do poema, algo acontece para acelerar ou modificar o seu desfecho...'teu pé tropeçou'. No entanto, o eu-lírico continua distante:'onde vais?'

E o pálido mimo da minha paixão
Num longo soluço tremeu e parou;
Sentou-se na praia; sozinha no chão
A mão regelada no colo pousou!

7ª estrofe: Nova palavra expressiva inicia essa estrofe: o substantivo 'pálido'. A virgem pálida está trêmula, logo, está viva. Mas, repare que encontramos a palavra 'regelada' que significa congelada, confirmando ainda que a donzela continua o processo de esfriamento, agora já está congelando.

Que tens, coração,
Que tremes assim?
Cansaste, donzela?
Tem pena de mim!

8ª estrofe: O eu-lírico está mais próximo da amada. Vê e pergunta diretamente porquê ela treme assim.
Será que a distância que os separava dissipou-se?

Deitou-se na areia que a vaga molhou.
Imóvel e branca na praia dormia;
Mas nem os seus olhos o sono fechou
E nem o seu colo de neve tremia.

9ª estrofe: Poderíamos pensar que a donzela se encontra mais acessível ao eu-lírico, afinal ela parou de correr e deitou-se na praia. No entanto, repare nas palavras:'Imóvel ...branca...dormia'.
Ao contrário do que poderíamos supor ( de que haverá agora o encontro do eu-lírico com a amada), o último verso nos confirma o inevitável: 'nem o seu colo de neve tremia'.
Confrontando com a 8ª estrofe temos:
8ª estrofe: ' Que tremes assim?'
9ª estrofe: 'E nem o seu colo de neve tremia'

O seio gelou?...
Não durmas assim!
Ó pálida fria,
Tem pena de mim!


10ª estrofe:Confrontando essa estrofe com a 5ª estrofe, temos:
5ª estrofe: 'Teus seios palpitam...'
10ª estrofe: 'O seio gelou?'
E ainda nos deparamos com duas palavras já observadas por nós nas primeiras estrofes do poema: 'Pálida Fria'. Agora as duas unidas num momento de grande tensão que já nos leva ao desfecho final.
Viu? Não foi à-toa a nossa observação.

Dormia - na fronte que níveo suar!
A mão regelada no lânguido peito!
Não era mais alvo seu leito do mar,
Não era mais frio seu gélido leito!

11ª estrofe: O eu-lírico nos conta que a donzela 'dorme', é o que ele acredita. Nesse 1º verso encontramos a palavra 'níveo' que significa 'branco como a neve', trazendo novamente a idéia de candura, pureza e ainda do frio. Ao estar juntoà palavra 'suar', poderia ser compreendida como nova oposição: 'suar' ' calor / 'níveo' ' branco como a neve. No entanto, estamos diante de um 'suar' branco, frio.'Suar' também é sinônimo de 'manar', 'brotar' . Portanto, diante de toda essa situação mórbida, encaixa-se perfeitamente 'níveo-suar'. A donzela mana a vida pura que existiu dentro dela.
No segundo verso encontramos novamente a palavra 'regelada'. Comparando-a com o seu uso na 7ª estrofe, temos: A mão regelada no colo pousou! e A mão regelada no lânguido peito! Naquela a mão tem movimento 'pousou', nesta a mão está imóvel, afinal ela já está 'no lânguido peito'. Se observarmos bem, é a posição tradicional de um cadáver.
No 3º e no 4º verso, o eu-lírico reafirma que a donzela está mais branca e mais fria que a areia. Interessante comparar: 'De noite aos serenos a areia é tão fria' com 'Não era mais frio seu gélido leito!'

Nem um ressonar!...
Não durmas assim!
Ó pálida fria,
Tem pena de mim!

12ª estrofe: Além de fria e imóvel, o texto afirma um 'dormir' extremamente silencioso.

Aqui no meu peito vem antes sonhar
Nos longos suspiros do meu coração:
Eu quero em meus lábios teu seio aquentar,
Teu colo, essas faces, e a gélida mão!

13ª estrofe: A ausência de pontuação nos dois primeiros versos acelera o ritmo do poema, fazendo com que seja percebido o desespero do eu-lírico. A antítese entre 'aquentar' e ' gélida' demonstra a oposição da realidade( a morte da donzela) e o inconformismo do eu-lírico tentando reanimar sua amada.

Não durmas no mar!
Não durmas assim.
Estátua sem vida,
Tem pena de mim!

14ª estrofe: A constatação enfática, por parte do eu-lírico, da morte da donzela. Estátua sem vida

E a vaga crescia seu corpo banhando,
As cândidas formas movendo de leve!
E eu vi-a suave nas águas boiando
Com soltos cabelos nas roupas de neve!

15ª estrofe: No início da estrofe, encontramos a palavra ' vaga' que pode significar tanto grande onde quanto um lugar vazio a ser preenchido como uma cova.
O corpo é lentamente arrastado para o mar. Destaque para as palavras 'cândidas' e 'leve', pois elas criam um ar místico de santidade, pureza, vida. Contrapondo-se a isso, o 3º verso nos traz a palavra 'boiando' fazendo intertextualidade com 'Ofélia' (mulher morta boiando nas águas) de Shakespierre, personagem da tragédia Hamlet. Essa relação reforça no poema a idéia de morte, tragédia, o misticismo- afinal Hamlet tem como personagem um espectro e, ainda, a podridão por ser um cadáver boiando.
Finalizando, a estrofe retoma a brancura, a leveza: 'soltos cabelos' e 'neve'

Nas vagas sonhando
Não durmas assim;
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

16ª estrofe: 'Nas vagas sonhando / Não durmas assim'
O eu-lírico ou a donzela?

E a imagem da virgem nas águas do mar
Brilhava tão branca no límpido véu!
Nem mais transparente luzia o luar
No ambiente sem nuvens da noite do céu!

17ª estrofe: No primeiro verso, as expressões 'imagem da virgem' e 'águas do mar' deixam no contexto o ar de santidade e de vida - água é vida.
No 2º verso encontramos a intensificação da santidade: 'brilhava', 'branco', 'límpido'. Interessante que ela é quem brilhava e não a lua que se refletia na mulher.
Também nos deparamos com a palavra ' véu' que tanto pode trazer a idéia de santidade - por ser usado nas igrejas pelas mulheres nas orações e pelas noivas no casamento- quanto do cadáver que é coberto por um véu no caixão.
No 3º verso ainda continua a aura de santidade com a palavra 'luzir'. Também encontramos 'transparente' que sugere limpidez, pureza(água transparente). Porém não podemos esquecer da idéia fantasmagórica; afinal, ao pensarmos num ser transparente, imediatamente nos lembramos de fantasmas.
O 4º verso praticamente finaliza a história em um ambiente totalmente claro e santo: 'sem nuvens' e 'céu'. No entanto, a palavra 'noite', no meio de toda esta estrofe que fala de luz, santidade e céu, sugere escuridão, medo - podemos enxergar os sentimentos do eu-lírico que ficou assistindo a transfiguração dessa santa virgem.

Nas águas do mar
Não durmas assim!
Não morras, donzela,
Espera por mim!

18ª estrofe: Num último clamor, o eu-lírico pede para sua amada não deixá-lo, mas que espere por ele.






SONHANDO

Na praia deserta que a lua branqueia,
Que mimo! que rosa, que filha de Deus!
Tão pálida ¿ ao vê-la meu ser devaneia,
Sufoco nos lábios os hálitos meus!

Não corras na areia,
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

A praia é tão longa! e a onda bravia
As roupas de gaza te molha de escuma;
De noite ¿ aos serenos ¿ a areia é tão fria,
Tão úmido o vento que os ares perfuma!

És tão doentia!
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

A brisa teus negros cabelos soltou,
O orvalho da face te esfria o suor;
Teus seios palpitam ¿ a brisa os roçou,
Beijou-os, suspira, desmaia de amor!

Teu pé tropeçou...
Não corras assim!
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

E o pálido mimo da minha paixão
Num longo soluço tremeu e parou;
Sentou-se na praia; sozinha no chão
A mão regelada no colo pousou!

Que tens, coração,
Que tremes assim?
Cansaste, donzela?
Tem pena de mim!



Deitou-se na areia que a vaga molhou.
Imóvel e branca na praia dormia;
Mas nem os seus olhos o sono fechou
E nem o seu colo de neve tremia.

O seio gelou?...
Não durmas assim!
Ó pálida fria,
Tem pena de mim!

Dormia - na fronte que níveo suar!
A mão regelada no lânguido peito!
Não era mais alvo seu leito do mar,
Não era mais frio seu gélido leito!

Nem um ressonar!...
Não durmas assim!
Ó pálida fria,
Tem pena de mim!



Aqui no meu peito vem antes sonhar
Nos longos suspiros do meu coração:
Eu quero em meus lábios teu seio aquentar,
Teu colo, essas faces, e a gélida mão!

Não durmas no mar!
Não durmas assim.
Estátua sem vida,
Tem pena de mim!

E a vaga crescia seu corpo banhando,
As cândidas formas movendo de leve!
E eu vi-a suave nas águas boiando
Com soltos cabelos nas roupas de neve!

Nas vagas sonhando
Não durmas assim;
Donzela, onde vais?
Tem pena de mim!

E a imagem da virgem nas águas do mar
Brilhava tão branca no límpido véu!
Nem mais transparente luzia o luar
No ambiente sem nuvens da noite do céu!

Nas águas do mar
Não durmas assim!
Não morras, donzela,
Espera por mim!
(Álvares de Azevedo)







Sou uma professora de Literatura que iniciou seu caminho literário lendo Sidney Sheldon.
Como? Simplesmente, ele me ajudou a viajar no prazer de desvendar mundos novos através do portal das letras! Devo muito a ele!
Ao conhecer Literatura e entender que o mais importante em uma texto não é O QUE se escreve, mas COMO se escreve; Sidney Sheldon não mais me satisfazia.
O que seria de mim, caso não tivesse me deparado com "O outro lado da meia-noite"? Ou, ainda, o que seria de mim se não tivesse como professora de Teoria Literária a doutora Maria Adélia Menegazzo?
Eu ouviria sobre mim o que ouve a maioria dos brasileiros: "brasileiro não lê"!
Eu GRITO O CONTRÁRIO: brasileiro lê e muito!
Pena, que para a grande maioria, ainda despreparados para o mundo literário, deparam-se logo no início com Guimarães Rosa ou Machado de Assis- leituras obrigatórias no Ensino Médio! O pior é que nem são avisados que o belo nessas obras é a MANEIRA como os fatos cotidianos são contados.
E assim...professores despreparados assassinam Clarice Lispector, Aluísio Azevedo, Manoel de Barros e tantos mais! É claro que os pobres cidadãos buscarão resumos que os ajudem a tirar notas e a passar em vestibulares.
Por que eu disse, então, que o brasileiro é, sim, um leitor?
Eu digo que não só é um leitor, mas, também, um criador!

O brasileiro lê os enredos nas imagens que o acompanham no dia a dia. Lê a vida de um vizinho ou de seu artista preferido!
Simplesmente com seu olhar, cria histórias mirabolantes que chegam, muitas vezes, ao fantástico de Kafka...ou ao 'infantil' de Lewis Carroll.
Não importa....ele cria e recria!
O que o faz transbordar de emoção é ver protagonistas e antagonistas desenvolverem tramas reais e inesperadas! Fica exultante em poder preencher os espaços vazios através de um simples telefonema. Não tira os olhos da história e elege, já nas primeiras palavras, seu herói ou sua heroína!
Carentes brasileiros que ao fim do livro entram em crise de abstinência e buscam acompanhar o volume II de seus idolatrados personagens...não é mais possível! As câmeras foram desligadas!
Resta- lhes tentar preencher o seu espaço em branco com situações fictícias passadas às 20:00h de um dia exaustivo e sem a realidade tão sonhada.











Ser professora não é nada fácil! Ser mulher já não é, imaginem uma professora-mulher? Mas foi esta a profissão que escolhi, ou melhor, que a vida escolheu!
Como muitos naquela idade, não sabia que curso fazer e pela primeira vez, ouvi os conselhos de minha mãe: "Milha filha, seja professora!"
Pobre mãe...hoje com seus 70 anos, acreditava que ter uma filha professora seria uma honra para a família...pobre mãe....
...pobre mãe que ensinou à filha todos os valores de honradez, sinceridade e amor à justiça ...pobre mãe...
...pobre mãe que praticamente nem estudou. Fez até a quarta-série, era a melhor aluna, mas seu pai dizia que escola não era coisa para uma filha-mulher...pobre mãe...
...pobre mãe que chorava ao ver as crianças indo para escola e se mal-dizia por não ter repetido de ano...só assim ainda estaria na escola....pobre mãe....
...pobre mãe que cursou a Universidade da vida, fez pós-doutorado nesta profissão...mas não estava preparada para assistir tanto descaso com a Educação...pobre mãe...
...pobre mãe que me passou todos os valores de uma vida simples, com fé no coração...pobre mãe...
...pobre mãe que me ensinou a ver brilho nos olhos de qualquer criança pé no chão...pobre mãe...
...pobre mãe que me fez ver o quanto ser professora enche de orgulho o meu coração!...pobre mãe que quantos tesouros acumulou em sua sabedoria!
Pois, pobre mesmo é aquele que pode, mas não valoriza a Educação!

* imagens: google.com

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

UM POUCO DA HISTÓRIA...CHEGA DE ESTÓRIAS!!!!!!!!!


Este texto foi um grito, UMA RESPOSTA MINHA,  a um profesor de História que ENSINAVA a uma aluna minha que a tentativa de implantação do comunismo no Brasil nunca houve.



Fortaleza, 01 de outubro de 2008.

             Olá, meu colega de profissão!!!

            Meu nome é Delair e trabalho com a sua aluna! Leciono há 11 anos, sou graduada e pós-graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul- Campo Grande e tenho 37 anos. 
            Como Professora sinto-me obrigada a enviar-lhe esta carta porque ser Professor é uma responsabilidade maior ainda do que ser médico. Um remédio errado mata o paciente, mas uma idéia errada destrói uma nação!
 Vimos isso com Hitler!
            Sou uma estudiosa, conheço os livros de História, afinal, trabalho Literatura! Mas também conheço a História que vi e vivi e sei o quanto uma notícia pode ser divulgada por interesses dos grandes, dos poderosos formando estórias.
Os  brasileiros em sua ingenuidade acabam comprando idéias  de alguns interessados. Quer um exemplo?
             Veja a ingenuidade de muitos que lêem e acreditam que um Presidente foi deposto pelo POVO BRASILEIRO!!!
Qualquer pessoa um pouco mais astuta  percebe que foi um Congresso corrupto com poder total e ajuda da Rede Globo que por interesses próprios conduziram o povo a participar e sentir-se importante no impeachment de Collor.
            Claro que o Collor julgou-se poderoso demais!!!
A ele, na época, o que realmente caberia era FECHAR O CONGRESSO de forma autoritária, mas não! Julgou que o povo pintaria a cara de verde e amarelo enquanto que a Rede Globo só mostrou o povo com a cara pintada de NEGRO.
O Sr. sabia que, naquela época, lá mesmo em Brasília, uma passeata com mais de vinte mil caras pintadas coloridas desfilaram nas ruas da nossa capital?
Não sabia não é, professor?
Não me admira, porque, na época, os taxistas foram convocados pelo sindicato da categoria e à medida que iam chegando recebiam um dedo sujo de tinta preta na face, os marcando como gado e sem mesmo que soubessem por quê!!!
Mas foi esse quadro que a rede Globo televisionou... não foi aquela passeata a que foi mostrada!!!!!
Claro que o Sr. não sabia, o Sr. não estava lá e seus professores não lhe disseram  – portanto, o Sr. conhece estórias e não a verdadeira História!
            Citei Brasília, professor, mas isso aconteceu no Brasil inteiro !!!
Então, não foi o POVO que impediu o Collor, foram os poderosos que sentiram-se prejudicados pelo governo dele na época.
            O Sr. poderá dizer-me: "mas o Congresso representa o povo!"
Mas, professor, representa muito mal!!!
Talvez seja esse o problema... não há quem diga que o comunismo é a melhor forma de governo porque é dirigido pelo POVO?
Eu, professor, nunca vi povo algum ser governado por ABACAXIS, é governado pelo povo mesmo.
            O grande problema é escolher esse POVO que vai nos representar. E pelo que vemos, esse governo tem nos representado muito mal.
            Isso, professor, ninguém me contou, eu vi, eu acompanhei o que acontecia e soube dos bastidores...COISAS QUE NÃO ESTÃO NOS SEUS LIVROS, provavelmente.
            O povo ser ingênuo o suficiente pra acreditar somente no pouco que lê, tudo bem...mas formadores de opiniões como nós...NÃO PODEMOS! Precisamos nos aprofundar no assunto!!!!
            Lemos a História do Regime Militar sob o ponto de vista de escritores, publicitários e petistas!!! Pessoas que foram perseguidas na época e claro que passarão a visão deles do que aconteceu!!!!
E o outro lado, o senhor já buscou?
            Não seja ingênuo...faça uma experiência...pense em 2 pessoas brigando, ao serem questionadas sobre quem estaria com a razão, cada uma dirá ser a dona da verdade!!!!! Isso também se aplica à História!!!

Como saber então? Veja os frutos!
            De uma parte estava a União Soviética lutando para implantar o regime deles( o senhor disse nunca ter tido comunismo no mundo, então não daremos o nome de comunismo, implantariam “aquilo” que viviam lá), do outro lado o Regime Militar lutando pela democracia.
            Veja o resultado hoje...olhe como está o Brasil e veja como estão países como RÚSSIA, Cuba, China...os que aderiram “àquele” regime que o senhor diz não se chamar comunismo!
 Mas veja mesmo!!! Não aquelas nações, veja o POVO daquelas nações que se pudessem fugiriam voando de suas pátrias. O Sr. sabia que tem gente fugindo a NADO de Cuba?
            O senhor nunca percebeu que estaríamos como eles????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Deus do céu!!!!!!!!!
            Reflita.....seu salário como professor no Brasil não é bom?
É péssimo? É mesmo!!!
Mas, professor, pesquise, veja quanto ganha um professor em Cuba!!!
E, então, o Sr estará agradecido ao seu salário e graças aos Militares que não permitiram no Brasil “aquele” regime!!!!!!!!
Muito bem!!! Era uma GUERRAAAAAAAAAA...ENTENDA ISSO!!!!!!!!!! ESTÁVAMOS EM GUERRA!!!!!!!!!!!!
            Quando os militares capturavam líderes, estes tinham em suas cabeças planos e líderes de células que iam a seguir ROUBAR BANCOS, SEQÜESTRAR, TORTURAR e ASSASSINAR sem importar-se com civis que estivessem em seus caminhos.
            O Sr. acha mesmo que se os militares chegassem e dissessem: "Filhinhos, não façam isso, por favor - conte-nos o que seus amigos vão fazer a seguir, quem eles vão ASSALTAR? Quem eles vão SEQUESTRAR, MATAR?".  Interrogando desta forma teriam parado “aquela” corja de bandidos????????
            Hoje se fala e se vê muitos seqüestros, imagine, só imagine, se um seu ente querido estivesse seqüestrado e você tivesse aprisionado um dos seqüestradores...
O Sr. ofereceria um cafezinho a ele ou arrancaria as unhas das mãos do bandido??? uma por uma até que ele dissesse onde está escondida, por exemplo, sua filha?
            Houve tortura sim, e isso é condenado até pela Convenção de Genebra... mas houve tortura dos dois lados !!!
Porque eles eram BANDIDOS!!!!!!!!!
Seqüestravam, roubavam, matavam!!!!!!!!!!!!!!!
Vá pesquisar o que eles fizeram e verá que por sinal foram treinados em diversas regiões por MILITARES DA CHINA COMUNISTA !!!
Quer saber qual era a "cartilha" de quem o Sr. e muitos de seus colegas professores defendem como vítimas?

Treinamento COMUNISTA DE GUERRILHA URBANA para MATAR E FUGIR, SEQUESTRAR E MATAR, TÉCNICAS NÃO LETAIS PARA CONFISSÕES, e, principalmente, CONVENCIMENTO DO SHANGRILÁ COMUNISTA ao proletariado.
           
Os militares lutavam assegurando a democracia e se hoje o país é livre como é, isso se dá  graças aos militares!
É tão livre que temos partidos políticos COMUNISTAS.
É tão livre que os dirigentes do governo de hoje foram alguns deles os FUNDADORES do CV - o ainda temível COMANDO VERMELHO que infestou, armou os bandidos e traficantes de nosso país. O mesmo  CV que deixou ramos como o PCC.
É tão livre que dirigentes do nosso governo foram SEQÜESTRADORES naquele tempo que assaltaram bancos, que MATARAM, que TORTURARAM!!!!
É tão livre que todos estes ESTÃO NO PODER COM ANISTIA GERAL E IRRESTRITA.
É tão livre que o Sr. pode dizer em salas de aula o que o Sr. bem entende e acredita, embora NÃO saiba.
            Se alguém foi Patriota neste país, foram os MILITARES!
Claro, com certeza, muitos deles individualmente perseguiram sem precisar, mataram sem necessidade, mas o que eu tenho que ver, como Patriota que sou, não foram atos isolados, foi o que eles fizeram de melhor para O MEU PAÍS!
            Agora, o Sr. e seus colegas ficam lendo textos de petistas, perseguidos políticos ou copiadores dos perseguidos e implantam aversões às Forças Armadas em nossos jovens brasileiros!
            Já pensou se precisarmos ser defendidos, quem irá se juntar ao exército para nos defender já que todos ouvem horrores dos militares??????????
Ah, o Sr. quer que vá um representante aí defender o ponto de vista  que o Sr. não conhece!!!
            Isso é coisa de quem não tem razão, de Petista!!!! Que vence pelo muito que fala e divulga!!!!!!!!!!!!!
Já leu a Retórica de Aristóteles, professor?
Pois os Petistas a lêem e a usam muito bem!!!!!! São exímios nisso!
Convencem até professores!!!!!!!!!!!!
            O lado certo não precisa disso pra se defender, a História o defende, basta ler os livros CERTOS  e não porcaria contada para o povo ingênuo engolir!!!!
            Quero terminar essa carta somente com uma reflexão...
Tem-se falado muito em desarmamento ultimamente...o senhor já pesquisou ou mostrou para os seus alunos quais as vezes ( na História) que isso foi feito, o que aconteceu aos países que fizeram o desarmamento e quem foram os líderes que propagaram isso???????
            Pesquise e verá um pouco das idéias de quem governa este país hoje!
            Escrevi esta carta como Amiga, PROFESSORA e, principalmente, PATRIOTA!!!!!!!!!
            Não quero mudar a sua opinião, mas quero, SIM, que o senhor reflita MUITO antes de FORMAR OPINIÕES!!!!!!!!
            E nunca se esqueça...UM MAL MÉDICO MATA UM PACIENTE!!!!!!!!!!!!!!!!
            Esta é uma carta única, sem resposta. A resposta se fará ao Sr. mesmo na busca do conhecimento real, verdadeiro antes de ser transmitido. Lembrando de que somos acima de tudo- BRASILEIROS!


______________________________________________
DELAIR URIAS COELHO
Mulher, Professora, Cidadã  e PATRIOTA 



Alguns sites interessantes:


 Leia o que escreve este JORNALISTA de DIREITA, um que viveu inclusive o dia a dia na época do Regime Militar. - o Nome dele é Olavo de Carvalho e atenção, ele se considera de CENTRO.
e

Quando voltar ao ar, acompanhe esse site:

Este também é interessante:


Professor, caso não consiga abrir a página, este é um exemplo dos artigos que estavam no ar.

MIDIA SEM MÁSCARA
Eu sou o perigo
por Olavo de Carvalho em 26 de setembro de 2007

Resumo: O vício dos cursos de auto-ajuda, pagos a peso de ouro e valorizados mais por isso do que por qualquer resultado comprovado, infundiu na classe dominante brasileira uma fé sem limites no poder do pensamento positivo.

© 2007 MidiaSemMascara.org

Peço ao leitor a gentileza de examinar brevemente esta seqüência de fatos: Em Abril de 2001, o traficante Fernandinho Beira- Mar confessa que compra e injeta no mercado brasileiro, anualmente, duzentas toneladas de cocaína das Farc em troca de armas contrabandeadas do Líbano.
7 de dezembro de 2001: o Foro de São Paulo , coordenação do movimento comunista latino-americano, sob a presidência do sr. Luís Inácio Lula da Silva, lança um manifesto de apoio incondicional às Farc, no qual classifica como “terrorismo de Estado” as ações militares do governo colombiano contra essa organização.
17 de outubro de 2002: O PT, através do assessor para assuntos internacionais da campanha eleitoral de Lula, Giancarlo Summa, afirma em nota oficial que o partido nada tem a ver com as Farc e que o Foro de São Paulo é apenas “um foro de debates, e não uma estrutura de coordenação política internacional”.
1º. de março de 2003: O governo petista estende oficialmente seu manto de proteção sobre as Farc, recusando-se a classificá-las como organização terrorista conforme solicitava o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe.
24 de agosto de 2003: O comandante das Farc, Raul Reyes, informa que o principal contato da narcoguerrilha no Brasil é o PT e, dentro dele, Lula, Frei Betto e Emir Sader.
15 de março de 2005 : Estoura o escândalo dos cinco milhões de dólares das Farc, que um agente dessa organização, o falso padre Olivério Medina, afirma ter trazido para a campanha eleitoral do sr. Luís Inácio Lula da Silva. O assunto é investigado superficialmente e logo desaparece do noticiário.
2 de julho de 2005: Discursando no 15º. aniversário do Foro de São Paulo , o sr. Luís Inácio Lula da Silva entra em contradição com a nota de 17 de outubro de 2002, confessando que o Foro é uma entidade secreta, “construída para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política”, que essa entidade interferiu ativamente no plebiscito venezuelano e que ali, em segredo, ele próprio tomou decisões de governo junto com Chávez, Fidel Castro e outros líderes esquerdistas, sem dar ciência disto ao Parlamento ou à opinião pública.
9 de abril de 2006: o chefe da Delegacia de Entorpecentes da PF do Rio, Vítor Santos, informa ao jornal O Dia que “dezoito traficantes da facção criminosa Comando Vermelho — entre eles pelo menos um da Favela do Jacarezinho e outro do Morro da Mangueira — vão periodicamente à fronteira do Brasil com a Colômbia para comprar cocaína diretamente com guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Os bandidos são alvo de investigação da Polícia Federal. Eles ocuparam o espaço que já foi exclusivo de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar”.
12 de maio de 2006 : o PCC em São Paulo lança ataques que espalham o terror entre a população. Em 27 de dezembro é a vez do Comando Vermelho fazer o mesmo no Rio de Janeiro.
18 de julho de 2006: o Supremo Tribunal Federal, sob a pressão de um vasto movimento político orquestrado pelo PT, concede asilo político ao falso padre Olivério Medina, agente das Farc.
16 de maio de 2007: o juiz Odilon de Oliveira, de Ponta-Porã, divulga provas de que as Farc atuam no território nacional treinando bandidos do PCC e do Comando Vermelho em técnicas de guerrilha urbana.
12 de fevereiro de 2007: as Farc fazem os maiores elogios ao PT por ter salvo da extinção o movimento comunista latino-americano por meio da fundação do Foro de São Paulo .
Agosto de 2007: Nos vídeos preparatórios ao seu 3º. Congresso , o PT admite que seu objetivo é eliminar o capitalismo e implantar no Brasil um regime socialista; e fornece ainda um segundo desmentido à nota de Giancarlo Summa, ao confessar que o Foro de São Paulo é “um espaço de articulação estratégica” (sic).
19 de setembro de 2007: Lula oferece o território brasileiro como sede para um encontro entre Hugo Chávez e os comandantes das Farc .
Entre esses fatos ocorreram outros inumeráveis cuja data não recordo precisamente no momento, entre os quais o fornecimento maciço de armas às Farc pelo governo Hugo Chávez, uma campanha nacional de mídia para desmoralizar o analista estratégico americano Constantine Menges, que divulgava a existência de um eixo Lula-Castro-Chávez-Farc , os tiroteios entre guerrilheiros das Farc e soldados do Exército brasileiro na Amazônia, as denúncias de que as Farc davam treinamento em guerrilha urbana aos militantes do MST e, é claro, várias assembléias gerais e reuniões de grupos de trabalho do Foro de São Paulo . A existência de uma ligação profunda, constante e solidária entre o PT e as Farc é um fato tão bem comprovado, que quem quer que insista em negá-la só pode ser parte interessada na manutenção do segredo ou então um mentecapto incurável.
Também não me parece possível ocultar a evidência de que essa ligação não é só bilateral, mas envolve, em maior ou menor grau, todas as entidades participantes do Foro de São Paulo , a maior organização política do continente, da qual as Farc e movimentos similares constituem os diversos braços armados, atuando em torno e dentro do território brasileiro sob a proteção do nosso governo federal, chefiado, como se sabe, pelo próprio fundador do Foro .
Não me perguntem como e por que fatos dessa magnitude nunca foram objeto de uma CPI, nem sequer de um breve debate no Congresso, muito menos de algum esforço de reportagem da parte de uma mídia que se gaba de ser tão afeita a investigações perigosas. As explicações são muitas – espírito de traição, testemunhas que desaparecem, dinheiro que rola, cumplicidade, oportunismo, covardia, estupidez – e nem vale a pena repassá-las. Mas há uma que, pelo pitoresco, deve ser aqui registrada.
O vício dos cursos de auto-ajuda, pagos a peso de ouro e valorizados mais por isso do que por qualquer resultado comprovado, infundiu na classe dominante brasileira uma fé sem limites no poder do pensamento positivo.
Muita gente nas altas rodas acredita piamente que, se você repetir com perseverança o mantra " O comunismo acabou ”, o movimento comunista terá cessado de existir. Acredita até que, diante de sujeitos que se declaram abertamente comunistas, como os srs. Aldo Rebelo ou Quartim de Moraes, a firme decisão de pensar que eles são outra coisa há de transformá-los nessa outra coisa.
Quanto aos indivíduos que se associam aos comunistas, participam de congressos comunistas, são tidos como comunistas fiéis pelos próprios comunistas e fazem planos para a tomada do poder continental junto com os comunistas, mas não admitem em público que são comunistas, a mera hipótese de que o sejam em segredo é repelida com desprezo ou indignação e alegada como prova de que o autor da sugestão é um perigoso extremista de direita, tão exagerado e fanático que talvez seja ele mesmo, sob camuflagem direitista, um agente provocador a serviço do comunismo internacional.
Chegamos assim à adorável conclusão de que o único comunista – ou pelo menos o único perigoso – sou eu. Portanto, basta não me dar ouvidos, e pronto: o Brasil está a salvo da ameaça comunista.
Não resta dúvida de que, nesse sentido, o Brasil tem hoje o mais vasto, organizado e poderoso front anticomunista já registrado ao longo de toda a História universal.
 
Contador visitas
Motos